24.9.09

os dois



Ainda quando estava grávida uma das minhas preocupações sobre a vinda da Olívia era a reação do irmão e também saber gerir a minha "divisão" do amor pelos dois. A adapatação do Gaspar está a ser complicada. Apesar de ser muito ternurento com a irmã, quando se trata de dividir a mãe, o caso muda de figura. Faz muitos disparates para chamar a atenção e está sempre a exigir momentos só dele. Sei e compreendo que esta é uma fase muito dificil para ele e por isso estou a tentar dar o melhor para ambos. É importante referir que continuo a gostar dele da mesma forma e que estou sempre disponível quando ele precisar de carinho e atenção. Durante o dia quando chega a hora de dormir, o Gaspar estica a corda de tal forma que por vezes demora 1h30m para adormecer e se, por acaso, a hora de ir para a cama ( mais ou menos às 21h) coíncide com a hora do "jantar" da Olívia...ui! Ainda custa mais.

Estamos todos a viver uma fase dificil, mas acredito que com o tempo e a habituação as coisas funcionarão bem.

23 comentários:

Rosa Marrero disse...

es el primer paso para darnos cuenta, ya muuuuy mayores, que el mundo no está a nuestra única disposición. es un buen aprendizaje, pero duro.

Alê Spinelli disse...

Oi Ana! Passo pelo mesmo dilema. A diferença é que meu maior tem 4 anos e meu menor está com 5 meses. Digo que quanto mais cresce o menor, o ciúme do maior aumenta, porque vem as gracinhas, as risadinhas, as horas de sono do bebê diminuem e passamos a ficar mais tempo com eles... Realmente você precisará dar 'mais atenção' ao Gaspar agora, e 'prestar cuidados' a Olívia, que ainda está na fase de mamar e dormir. No fim, tudo dá certo! Felicidades!!!

Rita disse...

Olá, leio o teu blog assiduamente mas não costumo deixar comentários.
Passei pelo mesmo. O meu filhote tinha 3 anos quando a irmã nasceu e reagiu muito mal. Para ela foi sempre querido mas estava muito revoltado connosco. Mentiria se não dissesse que foi um ano muito complicado. Extenuante. Hoje (ela tem 15 meses) adoram-se, não desgrudam um do outro e acho que ele já entendeu que o nosso amor por ele só continua a aumentar! Boa sorte. Vai melhorar

a.mar disse...

Ana, é importante te preocupares muito com isso, nem alimentares a exigência extra do Gaspar.
É importante ele saber dar o lugar dele ao elemento mais novo da família, que é o mais pequeno e o que necessita de diferente atenção.
Se o Gaspar repara que te sentes preocupada e até um bocadinho culpada, ele vai servir-se disso e exigir-te sempre mais. O ser humano é um ser sempre insatisfeito, e, apesar de pequeno, o Gaspar é um ser humano.
Não dês demasiada importância a isso, nem aos desparates.
Beijinhos de muita coragem para não ceder a chantagens doa adorados filhos.

a.mar disse...

Faltou-me o não: É importante não te preocupares.

Rosa Pomar disse...

Vai melhorar, Ana. Cá em casa também era muito complicado: a altura em que a E. queria mimos era sempre quando eu estava a dar de mamar à A. E a hora de adormecer também era um momento crítico. Totalmente extenuante, tanto física como emocionalmente. Aos poucos todos se habituam à partilha dos afectos e as coisas tornam-se menos dramáticas. Coragem e um abraço aos quatro!

Andreia disse...

Sim é uma fase que custa, até que todos, pequenos e grandes, aprendam o novo ritmo, a nova dinâmica familiar. A partilha começa silenciosamente a entrar no modo de agir dos irmãos (do mais crescido e do bébé).
Depois (tem acontecido assim connosco)sem descurar nenhum cuidado que o bébé precisa,é por vezes necessário dar mais atenção ao mais crescido e funcionou muito bem fazê-lo participante de muitas das lides à volta do bébé, por exemplo, lavar as perninhas do bébé, na hora do banho... E também foram muitos os momentos em que dava de mamar ao bébé com um ou os dois mais crescidos, ali junto a mim.
Claro que nesta fase somos um pouco "super-mãe" e "super-pai": coragem!

sonia disse...

nao tive muitos problemas e o Lars reagiu bem a irma. acho que cada caso e diferente. mas tambem por o Lars ter sempre sido mais pai, a irma nao lhe significou ameaca. acho que como em muitos comentarios pude ler, uma questao de habito. de vez em quando tentar momentos um a um, ora actividades so com o mais velho ora com o bebe. ainda hoje fazemos muito isso, e eles adoram!
jinhos

sapatinhos de verniz disse...

Claro que sim... Tudo vai melhorar com o tempo!
Principalmente porque se nota que tens muito amor para dar aos teus filhotes, e essa é a maior motivação para que as coisas corram bem!

grande abraço e bom fim-de-semana!

Lisbeth Lima disse...

Ana, era a foto que estávamos esperando... estão lindos,os dois! Tenho dois meninos e minha mãe me ensinou que devia delegar alguns atos para o mais velho... pegar o sabonete na hora do banho... mostrando-lhe que ele é maior e responsável pela irmãzinha... minha mãe teve seis filhos e adotou mais um. Acho que dá certo...
Um abraço, Lisbeth

Tudo em Papel disse...

Olá Ana,

Percebo perfeitamente o que dizes porque estou neste momento a passar pelo mesmo. O Edgar como sabes tem 2 anos e o Joao 7 meses... é muito muito difícil. O Edgar tem muitos ciúmes e existem alturas que parece que não vamos aguentar e questionamos se realmente estamos a fazer bem, se estamos a dar a devida atenção aos dois... a preocupação é não descurar o mais velho e não deixar para 2º plano o mais novo que por ser pequenino pensamos que não sente porque cuidamos bem dele (dar de comer a horas, mudar a fralda e colinho quando chora). Ninguém disse que ser pai e mãe é fácil ;-) acho mesmo que é uma tarefa muito complicada porque estamos sempre a ser colocados à provar. Mas Ana vai passar, posso dizer-te que neste momento já gerimos um pouquinho melhor a situação. Beijinhos para os 4.

on satage disse...

Como percebo o que falas...
Ainda agora, já com 37 anos, a minha irmã, não se conforma com o facto dos meus pais terem querido mais filhos!
Para azar dela, nasceram mais 3 depois dela!
Mas tudo se ultrapassa com muito amor e atenção!
Até porque vai ser uma óptima oportunidade para o teu filhote, de aprender o que é a partilha!
Vai correr tudo bem Ana! Vais ver que sim...
Continua a amá-los como tão bem sabes e vais ver que, com um pouquinho de paciência, tudo fluirá para a resolução perfeita!
Beijinhos!

Amélia disse...

Olá Ana, sem querer meter o nariz onde não sou chamada, mas como mãe de um menino e uma menina, sei o que estás a passar e gostava de deixar a minha opinião. Acho que o segredo está em dar responsabilidades ao Gaspar, a ajuda dele é muito importante, fazê-lo perceber que, se não fosse ele a mãe não conseguia dar banho à mana, não conseguia ir buscar a chucha ou a fralda, que a mana precisa da ajuda dele para crescer, que é ele que lhe vai ensinar tudo, etc.
E claro, é importante não valorizar as birras, não grites, não o ponhas de castigo, não lhe dês uma palmada porque já não aguentas mais, não vale a pena, só o vais deixar ainda mais triste, rejeitado e revoltado, tenta controlar-te e conversa com ele fazendo-o sentir-se importante.
Ele é o melhor filho do mundo e a mana a melhor filha do mundo, esta é uma das vantagens de ter um casalinho.

Um beijinho e Boa Sorte!!!

gl. disse...

força aí! :) beijinhos.

jo disse...

não sendo ainda mãe, mas tendo partilhado o amor da minha com mais dois irmãos - somos 3 todos seguidinhos - compreendo o gaspar, porque eu também fazia disparates para chamar a atenção quando a minha mãe tinha dois mais pequenos para cuidar.
força e muita paciência! ah e hoje somos três irmãos inseparáveis...

patricia disse...

oi ana,

estão lindos os dois :)
é uma fase difícil e extenuante para a mãe, é preciso muita paciência.
como muitos já disseram nos outros comentários, ajuda bastante incluir o mais velho nas atividades do pequeno, valorizar sua ajuda,etc.
Também fizemos o seguinte: logo que nasceu o menor, demos a mais velha uma boneca "tipo" bebê - para que ela cuidasse (um presente do irmão para ela).
Funciona também com os meninos, acompanhei uma amiga que teve grande ajuda com o uso de um boneco, o irmão mais velho imitava os banhos, a amamentação, a troca de fraldas, etc com o "seu" bebê.
boa sorte!

Joana disse...

Estão mesmo lindos os 2!Li algures que é bom sinal quando os mais velhos reagem mal ao nascimento de um/a irmã/o, pois estão a expulsar e a lidar com a dificuldade. Sei que aquilo que se diz ajuda pouco na vivência do dia a dia. E que embora se saiba que vai passar, enquanto passa e não passa é difícil viver a situação. Mas que dá esperança para o futuro!

Eliana Vilaça disse...

Olá, antes de mais parabéns pela sua linda menina e também belissimo rapaz!

Acompanho o seu blog que é um espaço delicioso cheio de ternura.

Sou psicóloga e, se me permite, vou dar a minha opinião, mais profissional.

É muito normal o que está a acontecer com o Gaspar. É difícil a ideia de poder ter de "dividir" a atenção da mãe. Estes momentos são confusos para as crianças porque sentem coisas ambivalentes.

A noite deve ser um momento dificil para ele porque pode representar a "separação" da mãe, daí ele resistir.

Um dos truques éoferecer-lhe espaço para participar "ajudar" a mãe a cuidar da bebé e ser reforçado por isso, por ser um mano mais velho muito competente.

Se ele pede atenção extra é porque precisa de atenção extra, negar-lhe isso só vai reforçar os seus medos. Dar mais atenção pode ser simplesmente perguntar-lhe o que está a sentir, acetar isso e permitir-lhe expressar a sua própria ambivalência: "Gaspar se calhar às vezes ficas feliz e outras triste com estas mudanças cá em casa, porque será?"

Com tanto amor não lhe vai faltar atenção. As mães não dividem o amor pelos filhos, um nascimento faz a mãe ter menos disponibilidade, mas mais amor dentro dela! mas ele ainda não sabe isso, precisa que lho mostrem e digam ;)

O papel do pai também é muito importante, às vezes os mais velhos precisam de sentir que o pai também cuida do bebé para que a mãe possa cuidar um bocadinho do mais velho, como antes!

Já me alonguei! espero ter ajudado...

le monde de zuza disse...

olà Ana, tb tenho 2 filhos & qd o mais novo nasceu a minha filha (tinha 4 anos nessa altura) claro ficou com ciúme, no 1º mês ficou comigo em casa e o bébé, não quis ir á escolinha, e não insisti; tinha lido bastante sobre a chegada do 2º filho na família e o comportamento do mais velho & tb tinha relatos de amigas, gostei muito do que a eliana vilaça escreveu & o que ela diz aqui foi muito importante para mim e para os meus 2 filhotes, hoje o bébé tem 20 meses e adoram-se, a irmã cuida e brinca tão bem com ele q acho lindo, é claro q ainda tem ciúme dele e ele dela, mas ela exprime verbalmente este ciúme e no momento vivido o q torna as coisas mais simples. a Palavra é muito importante penso eu, seja com o teu filho ou com a bébé q não necessita somente de biberão e dormir, os bébés gostam q falem com eles. compreendem tudo o que lhes rodeiam. Fala muito com o teu filho diz-lhe q não é fácil tb para ti tudo o q estás vivendo. beijinhos para todos

Billy disse...

Beijinhos e força, tudo vai correr bem!

Lia disse...

Olaaaa! Fiquei comovida com a tua descriçao do que estas a viver agora com o Gaspar em relaçao a Olivia...por que vivemos exatamente o mesmo.
A Lena tem agora 2,5 meses e a Eva pouco mais velha que o teu Gaspar.
Passamos ums momentos terriveis ultimemente...d'um lado isso é muito saudavel porque quer dizer que eles se exprimem sem vergonha e sem a "obrigaçao" de satizfazer a mae ou o pai e isso é preciosa par uma criança : ser livre de expressao! D'outro lado tenho feito especialmente attençao a Eva para ter momentos "sò nos as duas" quando a Lena està a dormir e que jà espaça as mamadas de 3 em 4 horas (ela fica com o pai). Dez d'ai a Eva tem ficado menos rebelde e mais tenrra comigo... vamos ver se isso continua a bem progredir. A pesar de tudo nao tenho pena da Eva (mesmo se me aprecebe que é difficil para ela e que é perfeitamente legitimo) e mostro lhe que gosto muito da Lena sem exegir d'ela o mesmo mas para lhe mostar que ela nao é mais nem mesmo a pesar de serem apenas differentes... Falo tambem muito com ela... Mas tens toda a razao nao é nada fàcil...
Corragem, força e muito amor!
Desculpa o meu portugues;
Muitos beijinhos;

Lia (liadelacerda@gmail.com)

Anónimo disse...

Olá,

toda esta exposição, sobretudo das crianças, com fotografias e tudo não é um pouco "pornográfica"?
Acho demais e sem necessidade.

karura disse...

Ola Ana.
Vou falar do "outro" lado porque eu sou irmã mais velha. Francamente nunca me lembro de uma fase "dificil", lembro-me apenas (tinha 4 anos) de uma felicidade muito muito grande na altura em que o meu irmão nasceu e depois de uma imensa necessidade de contribuir, de mostrar que também conseguia segurar nele, tratar dele, etc. E de me sentir muito insegura quando outros se aproximavam dele, estilo "e se o deixam cair?" Mais tarde, andávamos juntos na mesma escola, ele na pré-escola e eu na 1a classe e esse sentimento de protecção perdurou durante todo esse período, digamos até hoje. Passaram 30 anos! É engraçado dizer que mesmo sendo ele o "rapagão", sou eu a decidir as coisas nos momentos que estamos juntos. eh eh eh